Reciclagem: a importância para você e o planeta

Você mexe no bolso e logo descobre aquela balinha que havia esquecido por ali. Além do mais, é sua preferida. Com o indicador e o polegar de cada mão, desembrulha o docinho e joga sua embalagem no chão. Parece uma atitude das mais simples, do dia a dia de qualquer um. No meio ambiente, o plástico demora mais de 30 anos para se decompor por completo. E isso é apenas um triste exemplo. 

Cuidar do meio ambiente não é responsabilidade exclusiva do poder público. Cada vez mais, compartilhamos esse compromisso. Toda e qualquer atitude isolada pode impactar positiva ou negativamente na sociedade em que vivemos. Na postagem de hoje, abordamos a importância da reciclagem e esclaremos algumas das dúvidas mais frequentes sobre o assunto. Confira:

O QUE É RECICLAGEM
Um resíduo descartável é reciclável sempre que desperte interesse ou potencial de transformação de partes ou de seu todo. Essa transformação pode ser para o mesmo produto de origem ou em outros. Assim, entendemos a reciclagem como o conjunto de técnicas ou atividades envolvidas no reaproveitamento ou reutilização de resíduos no decorrer do ciclo de consumo e produção.

POR QUE É IMPORTANTE RECICLAR
Estima-se que no Brasil cerca de 180 mil toneladas de resíduos sólidos são descartados todos os dias. Desses, mais da metade têm como destino lixões a céu aberto ou aterros sanitários. Apenas 18% das cidades brasileiras possuem serviço de coleta seletiva. Mas por que, afinal de contas, é tão importante reciclar?

1. Redução de resíduos em lixões e aterros sanitários.
2. Diminuição do impacto ambiental, tendo em vista que o processo dispensa a extração de matérias-primas da natureza.
3. Menor consumo de energia e água em comparado à produção de algo do zero.
4. Geração de renda aos catadores, classificadores de resíduos e cooperativas de materiais seletivos.

COMO SEPARAR
Bastam dois cestinhos, um para resíduos orgânicos e outro para os secos/seletivos. Certos países europeus separam por tipo de material e até cor. Enquanto nossa coleta ainda engatinhar, os dois lixinhos já são suficientes. Veja o que é e o que não é reciclável:

Papel
O que vale: papéis secos e até dobrados.
O que não vale: papéis amassados, papel-carbono, etiqueta adesiva, guardanapo, fotografias, papéis sanitários ou com outros resíduos orgânicos, como embalagens de pizza.

Vidro
O que vale: todos podem ser infinitamente reciclados. Um quilo de vidro quebrado faz um quilo de vidro novo.
O que não vale: lâmpadas, cristais, espelhos, vidros de automóveis ou vidros temperados, cerâmicas e porcelanas.
Dica: para vidros quebrados, embrulhe os pedaços em jornais ou caixas de papelão. Se possível, escreva na parte externa do pacote um alerta. Assim, evitamos acidentes com os profissionais que manipularão esse material.

Embalagens
Antes de descartá-las, lave e seque bem. Isso vale para embalagens de leite, latas, vidros e também plásticos.

Pilhas e baterias
Pilhas e baterias, inclusive de celular, devem ser devolvidas aos fabricantes ou descartadas em coletores específicos.

Isopor
Apesar de muitas acharem que não, o isopor é sim reciclável. Por ser leve e gerar grandes volumes, normalmente, não desperta interesse econômico. Você pode depositar essa material no espaço destinado aos plásticos. Algumas empresas transformam o isopor em matéria-prima para blocos de construção civil.

Óleo de cozinha
Certos locais possuem a coleta de óleo de cozinha. Caso contrário, coloque-o numa garrafa PET e deposite no lixo seletivo. Esse produto serve como insumo para a fabricação de materiais de limpeza e biocombustível.
Agora que você já conhece um pouquinho mais sobre a importância da reciclagem, que tal compartilhar com seus amigos no Facebook? Não esqueça e deixe também seu comentário em nossa página.

Fontes:
Ministério do Meio Ambiente
Planeta Melhor
Codeca