Depressão: entenda o que é, quais as causas e como tratar

Tristeza sem fim, falta de vontade, desânimo que não acaba mais. Isso pode indicar a presença da depressão, um dos grandes males da atualidade. A gente não costuma conversar muito a seu respeito, mas o diálogo é fundamental para esclarecer dúvidas e ampliar nosso conhecimento a respeito dela.

Resolvemos escrever um pouquinho sobre a depressão aqui no blog porque a informação e o tratamento precoce são os melhores remédios. Caso se identifique ou mesmo perceba alguns traços da depressão em pessoas que convivem com você, não pense duas vezes: procure ajuda especializada.

O QUE É
A depressão é uma doença psiquiátrica, crônica e que atinge cerca de 350 milhões de pessoas no mundo. Ela está associada à alteração de humor, tristeza profunda e melancolia, além de amargura, desesperança e sentimentos de inutilidade.
Bastante comum a confusão com a tristeza patológica, a depressão caracteriza-se por humor deprimido durante longos períodos e a falta de interesse em atividades que, normalmente, concedem prazer, satisfação e alegria.
Os quadros depressivos variam muito de pessoa para pessoa e são tipificados em 3 graus diferentes: leves, moderados e graves.

CAUSAS
Padrões de pensamentos negativos e fatores genéticos surgem como os principais causadores do estado depressivo. Ligado a eles, gatilhos – acontecimentos traumáticos, estresse físico e psicológico e consumo de drogas, por exemplo – podem despertar alguma predisposição já existente. As mulheres, geralmente, possuem mais vulnerabilidade à depressão, devido às constantes oscilações hormonais femininas.

SINTOMAS
O diagnóstico da depressão é clínico e leva em consideração a história do paciente. Psicólogos e psiquiatras identificam a doença a partir do estado deprimido do paciente por pelo menos duas semanas e a observação de quatro a cinco sintomas comuns, como os listados abaixo:
– Estado deprimido (longos períodos)
– Anedonia (perda da capacidade de sentir interesse e prazer)
– Alteração de peso
– Distúrbio do sono
– Fadiga e falta de energia constantes
– Apatia
– Forte sentimento de culpa
– Dificuldade de concentração
– Ideias suicidas
– Baixa autoestima
Tensão muscular na nuca e nos ombros
– Dores generalizadas
– Baixa imunidade

TRATAMENTO
Basicamente, o tratamento contra a depressão pode ser psicoterápico (terapia com psicólogo e psiquiatra) ou medicamentoso (antidepressivos e afins). Um não anula o outro e, dependendo do caso, podem se unir para devolver ao paciente o equilíbrio a sua vida. Evidências de estudos atuais apontam também diversos benefícios das atividades físicas regulares nesse sentido.

SUPOSTA FUNÇÃO EVOLUTIVA
Embora sejam evidentes os males atrelados à depressão, alguns estudiosos, como Paul Andrews, psicólogo da Universidade McMaster, no Canadá, tentam compreender o propósito de sua existência. Segundo alguns deles, essa doença possui função evolutiva, uma vez que nos afasta do cotidiano e nos força a concentrar nossos esforços em compreender e resolver problemas complexos. Por isso a obsessão pela fonte da dor no paciente depressivo. É importante destacar, porém, que isso não significa que a depressão faz bem, e tais estudos ainda não dispõem de comprovação científica.

Conversar e debater sobre o assunto faz toda a diferença. Pessoas deprimidas não são preguiçosas nem loucas. Não há sexo ou qualquer condição social e econômica exclusiva para a depressão. Pode ocorrer em crianças, idosos e adultos de qualquer idade. É preciso compreender e não encarar a doença com preconceito.
Se gostou desta postagem, compartilhe com seus amigos no Facebook e não esqueça de deixar seu comentário em nossa página oficial.

Fontes:
Drauzio Varella
Pensar Contemporâneo
Aleteia
ABQV
Super Interessante