Carnes — entenda como resfriar, congelar e descongelar de maneira correta

Abrimos a geladeira, e um cheiro estranho se espalha por toda cozinha. Não temos dúvida: existe alguma coisa estragada lá dentro. Já conversamos aqui sobre alguns mitos, verdades e curiosidades desse eletrodoméstico indispensável. Ele também ocupou protagonismo numa postagem com dicas para manter frutas, verduras e legumes frescos por mais tempo. Mas e a carne, como devemos armazená-la adequadamente?

Por ser um alimento altamente perecível, a carne precisa respeitar certas condições e temperaturas. Do contrário, corremos o sério risco de presenciar cena semelhante àquela que abriu este texto. A seguir, trazemos algumas dicas preciosas para garantir carne perfeita para o consumo de sua família. Tome nota:


Do mercado para sua casa

Durante compras grandes ou mais demoradas, coloque por último no carrinho os alimentos resfriados ou congelados. No trajeto até sua casa, evite paradas, pois os alimentos que necessitam de temperaturas baixas ganham calor nesse meio-tempo, o que pode comprometer sua qualidade final.


Carne fresca na geladeira

Em média, você pode manter a carne resfriada por até três dias ou 72 horas. Se ela vier em embalagem a vácuo, guarde na geladeira desse jeito mesmo. Agora, em outros casos, acondicione a peça em recipiente hermético ou em saco plástico adequado. Nunca deixe a carne exposta no refrigerador, sob o risco de contaminação.


Carne no congelador

Se o consumo não for imediato ou ultrapassar três dias, armazene sempre no congelador (cerca de – 18 ºC), de preferência na embalagem a vácuo do mercado ou em saquinhos para freezer com o mínimo de ar possível.

Separe a carne em porções para cada refeição e identifique com etiqueta, mantendo gorduras e cartilagens, a fim de prevenir o ressecamento da peça. Na etiqueta, coloque: o corte da carne (patinho, alcatra, tatu…), o tipo de porcionamento (bifes, cubos, moída…) e o prazo de validade.

Por que o porcionamento é importante? Quanto mais processada, menos a carne dura no congelador. E a validade, como saber? Nas carnes embaladas, essa informação sempre virá junto. Nas que você escolhe diretamente no açougue, respeite a regra de tamanhos: peças inteiras, até um ano; pedaços, oito meses; bifes, seis meses; moída, três meses.


Chegou a hora de descongelar

Na pia? Na geladeira? No micro-ondas? Tenha sempre em mente: congelamento rápido, descongelamento vagaroso. Não descongele a carne sobre a pia e jamais com água quente, porque isso gera as condições perfeitas para a proliferação de bactérias e outros micro-organismos nocivos à saúde.

Para evitar a contaminação, descongele na geladeira (entre 2 ºC e 10 ºC). O processo costuma demorar umas 12 horas. Sob temperatura controlada no refrigerador, os aspectos bioquímicos e microbiológicos do alimento são pouco afetados.

No dia a dia, às vezes esquecemos de descongelar e não podemos esperar 12 horas ou mais. Então, numa embalagem bem fechada, mergulhe a carne em tigela com água fria corrente. O descongelamento levará uma hora para pedaços pequenos e de duas a três horas para pedaços maiores.

Muita, muita pressa? Leve seu pedaço de carne ao micro-ondas em prato fundo ou travessa de vidro. De 45 em 45 segundos, interrompa o aparelho e verifique o descongelamento. Esse cuidado de perto minimiza as chances de a carne cozinhar ou ganhar aquela textura mais borrachuda.

Recomenda-se não descongelar e congelar novamente, embora seja possível com as peças descongeladas lentamente na geladeira. Inclusive, quando completamente descongeladas, as carnes podem ficar sob refrigeração por até 24 horas.


Mais algumas dicas de ouro

– Miúdos e vísceras: não congele, pois deterioram-se com facilidade. Caso o consumo não seja imediato, os miúdos e as vísceras devem ser fervidos e mantidos em refrigeração por, no máximo, dois dias.
– Carnes com osso: antes de acondicioná-las, cuide para que o osso não perfure as embalagens, o que permitiria a entrada de ar.
– Bifes e hambúrgueres congelados: não exigem descongelamento prévio. Leve diretamente ao fogo, mas tome cuidado com os respingos.
– Compra diária ou semanal: o ideal mesmo é ter sempre na geladeira carne fresquinha, então dê preferência à compra no dia ou pelo menos na mesma semana do preparo.
– Evite empilhar as carnes na geladeira ou mantê-las compactadas. O melhor é acomodar as porções lado a lado.

 

E aí, gostou de nossas dicas? Não deixe de compartilhar com seus amigos no Facebook e comentar aqui embaixo.

Fontes:
Vix
Minerva Foods
Carne com Ciência
ABPA